Sem imagem

Canção De Lisboa

Fernando Farinha

778 exibições
F			C 
Quando o fado era cantado 
C7			F 
pelas tabernas de Alfama 
F			C 
ninguém diria que o fado 
C7			F 
viesse a ter boa fama. 
 
Bb 
Era a canção 
			F 
da bebedeira e do calão, 
			C 
da rufiagem, capelão 
	C7		F 
e dos fadistas de samarra 
	Bb> 
e mal diria 
			F 
a Madragoa e a Mouraria 
			C 
quem em Lisboa inda haveria 
	C7		F 
assim tal gosto pela guitarra. 
  
 
Adeus tardes de toiradas 
com guitarras e cantigas 
adeus noites bem passadas 
com bom vinho e raparigas. 
 
Hoje os fadistas 
são tratados por artistas 
e aclamados nas revistas 
com ovações delirantes. 
Vestem do bom 
e por ser chique e ser do tom 
já vão à tarde ao Odeon 
se as matinés são elegantes. 
 
Hoje o fado já não tem 
a rufiagem por tema. 
Poliu-se, já é alguém 
e até já vai ao cinema. 
 
O fado agora 
é pedido a toda a hora 
e ouvido p’lo mundo fora 
com alegria e agrado 
e há-de chegar                      | 
a Hollywood e ter lugar,            | 
pois não se ilude quem pensar       | (2x) 
que há-de ser grande o nosso fado.  | 


Enviada por Sem inscrição
Nº de acordes: 3

Facebook